Glossário – C

CAD/CAM (Computer Aided Design / Computer Aided Manufacturing) – O projeto e a fabricação assistidos por computador.

CALIBRAÇÃO – 1. Conjunto de operações que estabelece, em condições específicas, a correspondência entre o estímulo e a resposta de um instrumento ou sistema de medição. 2. Procedimento metrológico que consiste em ajustar ou retificar um determinado instrumento de medição e/ou ensaio a um padrão aferido, de mesma natureza, rastreado a padrão reconhecido por órgão oficial, para torná-lo exato. 3. Processo pelo qual uma estação ou laboratório confere seus resultados ou testa uma metodologia nova.

CALIBRAÇÃO – Conjunto de operações que estabelecem a relação entre os valores indicados por um instrumento de medição. Ajusta a exatidão do aparelho, medida pelo seu erro, reduzindo-o a valores aceitáveis.

CARACTERÍSTICA – Aspecto funcional de um item, processo ou serviço possuindo uma ou mais particularidades mensuráveis.

CARACTERÍSTICAS DA QUALIDADE – Propriedades de um material, item, produto ou serviço que podem ser avaliadas em função do grau de satisfação de clientes e/ou dos requisitos determinados em uma especificação, modelo, padrão conveniente ou desenho.

CARACTERÍSTICAS DE PRODUTO – Propriedades de um produto (ou serviço) cujo objetivo é atender a determinadas necessidades e expectativas do cliente.

CARACTERIZAÇÃO – Desenvolvimento de um modelo matemático que representa o desempenho de um material, item, produto ou processo.

CAUSA ASSINALÁVEL – Causa determinável de uma variação em uma característica.

CAUSA-RAIZ – Razão ou motivo original para uma determinada condição.

CERTIFICAÇÃO – 1. Ato ou efeito de atestar por escrito a qualificação técnica de uma organização ou de um profissional. 2. Atividade de comprovação da qualificação de itens, materiais, produtos, pessoal ou sistemas da qualidade, no todo ou em parte. 3. Rotina estabelecida que controla, documenta e qualifica implementações e alterações de fatores de processo.

CERTIFICAÇÃO – Garantia de que a empresa, o processo e o produto têm um nível aceitável de qualidade.

CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO – Documento que registra, de forma clara, objetiva e precisa e de acordo com instruções descritas em métodos adequados, os resultados de cada calibração ou ensaio de equipamento ou instrumento de medição.

CICLO PDCA – O PDCA, o mais conhecido dos ciclos de controle de processos, trata do planejamento (PLAN) da atividade ou tarefa, da sua execução (DO), da comparação dos resultados com os padrões previamente estabelecidos (CHECK) e da implementação (ACT) de ações de melhoria (ou ações corretivas), sempre que forem observados desvios.

CICLO PDCA (PLAN-DO-CHECK-ACT) – O PDCA é a descrição da forma como as mudanças devem ser efetuadas numa organização da qualidade. Não inclui apenas os passos do planejamento e implementação de uma mudança, mas também a verificação se as alterações produziram a melhoria desejada ou esperada, agindo de forma a ajustar, corrigir ou efetuar uma melhoria adicional com base no passo de verificação.

CINCO S (5 S) – Programa de origem japonesa que visa a melhoria da qualidade do ambiente de trabalho e consequentemente a qualidade de vida do funcionário, de um modo geral. Fundamenta-se em cinco princípios, baseados em palavras japonesas, que são: SEIRI (senso de utilização), SEITON (senso de arrumação), SEISO (senso de limpeza), SEIKETSU (senso de saúde e higiene) e SHITSUKE (senso de auto-disciplina).

CÍRCULO DE CONTROLE DA QUALIDADE (CCQ) – Pequeno grupo voluntário e permanente de funcionários que possuem interesses similares e se reúnem regularmente para identificar e analisar problemas selecionados, apresentar soluções e, quando possível, implementá-las.

CÍRCULOS DE CONTROLE DA QUALIDADE (CCQs) – Grupos de pessoas da mesma área de trabalho, que se reúnem voluntária e periodicamente para analisar e solucionar os problemas concretos dessa área.

CLASSE – Agrupamento com limites especificados de valores de observações individuais ao longo da abscissa de um histograma.

CLASSIFICAÇÃO – Ato ou efeito de se agrupar itens em classes.

CLASSIFICAÇÃO DE DEFEITOS – Procedimento através do qual cada uma das características de um requisito de um material, item, produto ou serviço é cotada, listada e a seguir classificada, segundo a gravidade do defeito ou não-conformidade, de acordo com alguma divisão, dentro de um intervalo de 0 a 100%.

CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS – Análise integrada dos riscos inerentes a um componente, produto, serviço, sistema ou facilidade e sua significância em um contexto apropriado.

CLIENTE – Consumidor final, usuário, beneficiário ou segunda parte interessada.

CLIENTE FINAL – São os consumidores do produto/serviço de uma empresa.

CLIENTES INTERMEDIÁRIOS – São os distribuidores do produto fabricado por uma empresa.

CLIENTES INTERNOS – É a equipe de funcionários ou colaboradores de uma empresa.

COEFICIENTE DE CONFIANÇA – Probabilidade de que um intervalo referente a uma amostra estatística realmente inclua o parâmetro da população.

COEFICIENTE DE CORRELAÇÃO – Número entre -1 e 1 que indica o grau de correlação linear entre duas variáveis.

COEFICIENTE DE DETERMINAÇÃO – Medida da extensão da associação que existe entre duas variáveis X e Y.

COEFICIENTE DE VARIAÇÃO – Índice obtido pela divisão do desvio-padrão pela média de uma distribuição de medidas.

COLETA DE DADOS – 1. Reunião de informações necessárias e suficientes ao estabelecimento de uma série estatística. 2. Coletânea de respostas numéricas fornecidas por um sistema de medição, instrumento ou sensor. 3. Fase de investigação na qual são levantados dados referentes à qualidade de um material, item, produto, serviço, processo, sistema ou fornecedor para análise posterior.

COMISSIONAMENTO – Ato da entrega de um equipamento ou instalação pela equipe de projeto à equipe de operação, em condições de operação e conforme previsto.

COMPRADOR – Organização, empresa, entidade, indivíduo ou seu representante que contrata aquisição de material, item, produto ou serviço.

COMPROMETIMENTO COM A QUALIDADE – Envolvimento efetivo de uma empresa, por meio de seus representantes de mais alto nível e de todos os funcionários nos esforços de aperfeiçoamento da qualidade em toda a sua extensão.

COMPUTER INTEGRATED MANUFACTURING (CIM) – Fábricas coordenadas e controladas por um sistema informático integrado.

CONCESSÃO – Autorização por escrito concedida por um representante da qualidade devidamente qualificado e autorizado para tal, de entrega ao cliente de materiais, itens ou produtos não-conformes com a especificação.

CONDIÇÃO AMBIENTAL – Cada uma das características ambientais específicas de um experimento, laboratório ou estação metrológica.

CONFIABILIDADE – Habilidade de um sistema, instalação, equipamento, dispositivo, produto ou serviço desempenhar suas funções satisfatoriamente, de acordo com determinadas especificações, num dado intervalo de tempo, sob condições preestabelecidas.

CONFIRMAÇÃO METROLÓGICA – Processo seqüencial planejado, sistematicamente desenvolvido, implementado, verificado e documentado de operações e avaliações, com periodicidade gerenciável e sob condições operacionais e ambientais especificadas, da consistência de medidas fornecidas por um equipamento, com os limites de erro permissível para essas medidas e das incertezas associadas ao resultado dessas medições e se são condizentes com a distinção necessária para fins de determinação da conformidade de processos e/ou produtos monitorados pelo equipamento, quando as capacidades requeridas das medidas estiverem definidas e, assim, validar, identificar e preservar os estados de exatidão, precisão e adequação ao uso do equipamento ou, caso contrário, direcionar as segregações, identificações, disposições e ações corretivas e preventivas cabíveis.

CONFORMIDADE – 1. Estado de concordância entre a real qualidade e a qualidade planejada. 2. Cumprimento total por um material, item, produto, serviço, processo ou sistema das exigências de qualidade. 3. Julgamento ou indicação afirmativa de que um produto ou serviço atende aos requisitos de especificação, contrato, regulamentação ou acordo firmado.

CONSULTOR – Profissional capacitado a introduzir, facilitar a introdução ou dar prosseguimento à política, planejamento, projeto, plano ou programa da qualidade, fornecendo subsídios e esclarecimentos quanto a conceitos, princípios, métodos e atitudes relacionados à qualidade.

CONTRATO – Acordo escrito de cunho legal entre comprador e fornecedor em que as partes estabelecem direitos e obrigações recíprocas com referência a fornecimento de material, item, produto ou serviço.

CONTROLE DA QUALIDADE (CQ) – Técnicas operacionais e atividades utilizadas para atender aos requisitos da qualidade em estágios relevantes do ciclo da qualidade, objetivando o monitoramento de processos, a eliminação de desempenho insatisfatório, a satisfação de clientes e a conseqüente eficácia econômica.

CONTROLE DE DOCUMENTAÇÃO – Sistemática que visa a garantir que todos os documentos relativos à qualidade sejam distribuídos e utilizados por todos os envolvidos.

CONTROLE DE MATERIAL – Aplicação de métodos e procedimentos sistemáticos para garantir que o fornecedor irá fornecer materiais em conformidade com os requisitos de qualidade, custo e entrega, e para garantir a rejeição de itens entregues fora da especificação, contrato ou acordo.

CONTROLE DE OPERAÇÃO – Forma de controle que ocorre periodicamente durante a operação de um processo, cujo propósito é o de tomar uma decisão de “continuar ou parar”.

CONTROLE DE PRODUÇÃO – Controle de fluxo de materiais e dos parâmetros do processo de forma a possibilitar uma determinada razão de produção de produto ou serviço a uma dada qualidade.

CONTROLE DE RECEBIMENTO – Verificação se itens, materiais e produtos entregues por fornecedores correspondem às especificações e à quantidade estabelecidas no pedido de compra, nota de encomenda ou contrato.

CONTROLE DO PROCESSO – Avaliação sistêmica do desempenho de um processo, a tomada de ações corretivas quando o desempenho não estiver em conformidade com normas ou especificações, e a tomada de ações preventivas (quando aplicáveis) para garantir ou evitar a recorrência da(s) mesma(s) causa(s).

CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO (CEP) – Analisa os desvios ocorridos no processo durante a fabricação através de técnicas estatísticas, como as distribuições de freqüência, amostragem, análise de regressão etc.

CORREÇÃO – Valor a ser adicionado ao resultado incorreto de uma medição, de forma a compensar um erro sistemático assumido.

CRITÉRIOS DE ACEITAÇÃO-REJEIÇÃO – Critérios como números de aceitação e rejeição em inspeção por amostragem, limites da especificação, condições contratuais, ou qualquer outro critério com o qual produtos ou serviços sejam avaliados com o objetivo de aceitação ou rejeição.

CULTURA – Conjunto de percepções, atitudes e modos de agir, de instituições e valores espirituais e materiais de uma organização (grupo social, sociedade, povo).

CURVA CARACTERÍSTICA DE OPERAÇÃO – Curva que indica, para um determinado plano de amostragem, a probabilidade de aceitação de um lote, em função da qualidade do lote ou em função da qualidade do processo do qual o lote se originou.

CURVA DE INSPEÇÃO TOTAL MÉDIA – Curva que indica a quantidade média de todas as unidades inspecionadas por lote, incluindo a inspeção por amostragem para os lotes aceitos e a inspeção 100% para os lotes rejeitados, em função do percentual de defeituosas no lote.

CURVA DO NÚMERO MÉDIO DE AMOSTRAS – Representação gráfica do número médio de amostras em função do nível de qualidade.

CUSTO – Conjunto de valores (materiais, energia, informação, economia de tempo) destinados ao cliente ou à sociedade.

CUSTO DE AVALIAÇÃO – Somatório dos custos decorrentes das atividades de inspeção, controle e auditoria da qualidade de produtos e serviços, com o objetivo de determinar o nível de qualidade de matérias-primas e produtos/serviços finais.

CUSTO DE CONFORMIDADE – Custos incorridos para a busca da conformidade aos requisitos de clientes e na prevenção de defeitos ou não-conformidades.

CUSTO DE FALHAS EXTERNAS – Somatório dos custos incorridos quando os produtos/serviços não apresentam a necessária qualidade, após sua transferência aos clientes.

CUSTO DE FALHAS INTERNAS – Somatório dos custos decorrentes de produtos/serviços que não atendem às especificações da qualidade antes da entrega dos mesmos aos clientes.

CUSTO DE NÃO-CONFORMIDADE – Custos decorrentes do não-atendimento aos requisitos do cliente, de retrabalhos ou de correção de defeitos ou não-conformidades.

CUSTO DE PREVENÇÃO – Somatório dos custos decorrentes do planejamento, implementação e manutenção de um sistema da qualidade, com o objetivo de assegurar a conformidade com as especificações da qualidade em níveis econômicos.

CUSTOS DA NÃO-QUALIDADE – São os custos não visíveis e dificilmente quantificáveis como perdas com a parada de máquinas, atrasos, quebras de estoques, defeitos, horas extras e outras ineficiências.

 

Voltar